Cura da Aids? Experimento brasileiro livra paciente do HIV

Por SOMOS Educação

É possível já existir a cura da Aids? Um recente estudo brasileiro, da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), apresentado na 23ª Conferência Internacional de AIDS, indica resultados promissores. Essa descoberta pode ser um alento para cerca de 38 milhões de pessoas que convivem com o HIV atualmente no mundo, de acordo com cálculos da Unaids, programa das Nações Unidas para o combate à AIDS.

O HIV é o vírus da imunodeficiência humana. Ou seja, ele ataca o sistema imunológico e pode desenvolver a AIDS, doença cujos primeiros casos foram notificados no início dos anos 80. Muitas pessoas em todo o mundo convivem com o vírus, mas, no entanto,  não desenvolvem a doença. Hoje já se sabe que pessoas cuja carga viral está indetectável há ao menos seis meses, também não transmitem o vírus por via sexual. 

O experimento inédito da Unifesp é o primeiro no mundo a obter êxito só com o uso de medicamentos.

Entenda a pesquisa que deixa paciente livre de HIV

O paciente é um homem brasileiro de 34 anos diagnosticado com o vírus em 2012. Trata-se do primeiro caso em todo o mundo de um paciente que passa a ter o vírus indetectável, e por um longo prazo, depois de tomar um coquetel intensificado de vários remédios contra a AIDS. 

Paciente está livre do vírus HIV

Para realizar a pesquisa, foram recrutados 30 pacientes soropositivos. Todos deveriam estar em tratamento com o coquetel antirretroviral, que é usual no caso de soropositivo, e os medicamentos deveriam estar funcionando há ao menos dois anos. Os pacientes foram divididos em seis grupos de cinco pessoas e cada grupo recebeu uma combinação diferente de medicamentos, além do tratamento padrão.

O grupo com o melhor resultado foi o que recebeu dois antirretrovirais a mais que os outros, o Dolutegravir e o Maraviroc. Além disso, eles também receberam a Nicotinamida e a Auranofina. Em resumo, essas drogas atuam em diferentes frentes, tanto estimulando a imunidade, quanto fazendo com que o vírus “apareça” no organismo, ou seja, tirando ele do estado de latência e possibilitando então que os anticorpos o encontrem e o combatam. Deste grupo, um paciente é o que marcou o sucesso da pesquisa: ele está há 17 meses sem a presença do vírus no corpo.

Possível cura da Aids é avanço da ciência

“Se um paciente em cinco está livre do vírus, isso significa uma taxa de 20% de sucesso. Desse modo, se esse tratamento foi capaz de curar uma pessoa, há esperança para outras pessoas que possam entrar nessa mesma circunstância”, diz o infectologista Valdez Madruga, coordenador do comitê de HIV da Sociedade Brasileira de Infectologia.

Fotos: Unsplash e Divulgação

Confira mais notícias de atualidades em: https://www.rededeexperiencias.com.br/atualiza

REFERÊNCIAS

https://brasil.elpais.com/ciencia/2020-07-08/experimento-inedito-brasileiro-deixa-paciente-livre-de-hiv-e-eleva-esperanca-para-a-cura-da-aids.html

Compartilhe nas suas redes

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *