Escola no Tocantins vence importante prêmio internacional de arquitetura

Por SOMOS Educação

Localizado na área rural de Formoso do Araguaia, a 300 quilômetros de Palmas, no Tocantins, o complexo escolar “Moradias Infantis”, projetado pelos escritórios brasileiros Aleph Zero e Marcelo Rosenbaum – foi eleito a melhor construção do mundo pelo edição 2018 do Royal Institute of British Architects (RIBA), prestigiado prêmio internacional concedido a cada dois anos para projetos que demonstram excelência em design e impacto social significativo.

Projeto pioneiro

Mantido pela Fundação Bradesco, o projeto é uma das quarenta escolas administradas pela instituição que oferece educação para crianças em comunidades rurais em todo o Brasil. Para se ter uma ideia da importância do prêmio, a escola rural do Tocantins, que atende cerca de 840 alunos carentes dos 13 aos 18 anos, desbancou 20 outras construções de 16 países, com concorrentes de Milão, Tóquio e Budapeste.

O alojamento, um pavilhão arejado de madeira e alvenaria, tem superfície de quase 25 mil m² e acomoda quartos, áreas de estudo, descanso e lazer. Os arquitetos Gustavo Utrabo e Petro Duschenes, do Aleph Zero, desenvolveram o projeto em colaboração com Marcelo Rosenbaum e Adriana Benguela, do estúdio de arquitetura e design Rosenbaum.

Moderno e sustentável

Todos os alunos, professores e funcionários moram na escola. E inclusive participaram de reuniões com os arquitetos, fornecendo ideias e subsídios para a criação do projeto. O edifício foi construído com recursos locais e baseado em materiais e técnicas disponíveis na região. Desta forma, blocos de terra feitos à mão no local foram usados para construir as paredes e treliças, escolhidos por suas propriedades térmicas, técnicas e estéticas. Além de ser rentável e ambientalmente sustentável, a escolha dos materiais privilegiou o mínimo deslocamento e impacto ambiental possível.

Por seu funcionamento em estilo internato, as instalações não se resumem a salas de aula. No local, há espaço para acomodar trabalhadores rurais, funcionários e professores, além de refeitório e um pequeno hospital. Jardins, salas de diversão e passeios também foram incluídos na arquitetura.

O júri do Prêmio Internacional RIBA 2018, um dos mais rigorosos do mundo, foi composto por importantes profissionais de destaque: os arquitetos Elizabeth Diller (DS+R), Kazuyo Sejima (SANAA), Joshua Bolchover (Rural Urban Framework), Gloria Cabral (Gabinete de Arquitectura) e Peter Clegg (Feilden Clegg Bradley Studio).

Fotos: Leonardo Finotti/Divulgação
Compartilhe nas suas redes

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *