Estado curdo independente pode mudar a face do Oriente Médio

Por SOMOS Educação

Mais de 90% dos cerca de 3,5 milhões de eleitores aprovaram, em setembro, a independência dos curdos em relação ao Iraque. O voto maciço no “sim” no referendo seria o primeiro passo para uma negociação com o governo iraquiano, visando a construir um Estado independente para uma das mais numerosas nações do mundo ainda sem seu país soberano.

Não há números oficiais, mas estima-se que haja cerca de 40 milhões de curdos. As maiores comunidades estão na Turquia, irã, Iraque e Síria, com núcleos também em Israel, França e Alemanha.

O perfil dos curdos é muito particular: eles falam vários idiomas e professam diversas religiões (principalmente o islamismo sunita, mas também há curdos xiitas, judeus e cristãos). O que os une é principalmente o sentimento de pertencer a um mesmo grupo, que, aliás, tem sido duramente reprimido ao longo da história, em especial na Turquia e no Irã.

Estado curdo vota por independência

Nos últimos anos, porém, os curdos aproveitaram uma grande oportunidade histórica, ao assumirem a linha de frente do combate às forças do Estado Islâmico, facção sunita radical que ocupou partes importantes do Iraque após a retirada das tropas norte-americanas, em 2011.

Os pershmergas, guerrilheiros curdos que se destacam por admitir mulheres em suas fileiras, expulsaram o Exército Islâmico do Iraque e estabeleceram uma região autônoma no Norte do país. Agora, com o resultado do referendo, Turquia e Irã temem a adesão das minorias curdas que vivem em seus território a um projeto amplo de independência do Curdistão. Estados Unidos e Europa Ocidental também se manifestaram contra a independência curda no Iraque, que, acreditam, poderia esquentar ainda mais o cenário político no Oriente Médio.

Até agora, o único país que apoia de fato a independência dos curdos iraquianos é Israel, aliado histórico dessa nação e a quem interessa abrir um novo foco de tensão junto ao Irã, um adversário azedo, que tenta ampliar sua influência no Oriente Médio.

Foto: Shutterstock
Compartilhe nas suas redes

4 comentários em “Estado curdo independente pode mudar a face do Oriente Médio

  • 14 de outubro de 2017 em 07:41
    Permalink

    Boa reportagem, fiel à narrativa do livro:
    Amor em Terra de Chamas
    Autor – Jean Sasson.

    Resposta
  • 17 de outubro de 2017 em 12:39
    Permalink

    Eu apoio a independência do Curdistão, da Catalunha, do Timor, do Saara Ocidental e de quem mais quiser ser livre e democrático.

    Resposta
  • 17 de outubro de 2017 em 19:46
    Permalink

    A independencia, a criação, do Estado Curdo, seria muito bem vindo. Um povo que muito sofreu. Os EUA, Não estão sendo honestos quando dizem que as relacões no O.M. vai esquentar. Essa relação ja é quente graças às intervenções dos próprios EUA. Aqui pra nos: desde quando Eua e aliados estão preocupados com o bem estar de uma região?

    Resposta
    • 18 de outubro de 2017 em 14:43
      Permalink

      O Timor Leste já é independente. Não esqueçamos os chechenos.

      Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *