Inteligência artificial na educação

Por SOMOS Educação

Nesta semana, nossas redes sociais divulgaram posts sobre a inteligência artificial. As mensagens explicavam o conceito desse tipo de tecnologia e toda a sua evolução até chegar em sua utilização nos dias de hoje. Mas, e na educação, como essa inteligência artificial pode fazer diferença?

No relatório Intelligence Unleashed, elaborado pelo grupo britânico Pearson, o tema é tratado como uma grande evolução no sistema de ensino. De acordo com o documento, “a tecnologia disponível hoje pode ser aplicada para apoiar a aprendizagem dos alunos em uma escala inimaginável, proporcionando aulas particulares para cada aluno, em cada disciplina.”

O relatório destaca que as tecnologias existentes já têm a capacidade de fornecer suporte inteligente aos alunos que trabalham em grupo e de criar ambientes de aprendizado virtuais autênticos, “nos quais os alunos têm o suporte certo, no momento certo, para resolver problemas e quebra-cabeças da vida real.”

Inteligência Artificial pode preencher lacunas

De fato, a chamada computação cognitiva, como a apresentada pela gigante IBM com o desenvolvimento de seu super software Watson, pode fazer grande diferença no processo educacional.

Ao ter como base o conceito de inteligência e aprendizagem de máquinas, essa nova era computacional permite que seres humanos interajam de forma mais integrada com os sistemas, através da compreensão de linguagem natural, podendo aprender, identificando padrões e características de uma forma mais parecida com o raciocínio humano.

Na educação, isso pode ser traduzido, por exemplo, “em novas formas de avaliação, que medem o aprendizado enquanto ele ocorre, moldando a experiência de aprendizado em tempo real”, como ressalta o relatório do Pearson, o que pode ajudar a preencher importantes lacunas de desempenho, garantindo aos alunos mais eficácia e mais qualidade na transmissão do conhecimento.

Como a inteligência artificial pode atuar na educação*:

– Mentoria em tempo integral aos alunos por meio de tutores virtuais;

– Personalização da educação, de forma que a inteligência artificial acompanhe o desenvolvimento de cada aluno, lhe garantindo autonomia no avanço do aprendizado;

– Essa personalização pode permitir que cada aluno avalie sua própria performance e planeje os estudos de acordo com suas facilidades e/ou dificuldades, tendo como fio condutor suas preferências, talentos e necessidades;

– Fomento de informações ao professor. Por meio do cruzamento de informações sobre o desempenho de cada aluno, o professor pode, por exemplo, formar grupos de alunos com as mesmas dificuldades e até mesmo criando mais desafios para aqueles mais avançados, o que enriquece o aprendizado;

– Estimulação do aprendizado para além da sala de aula.

*Informações do relatório Intelligence Unleashed, do grupo britânico Pearson.

O Blog Rede de Experiências já trouxe o tema tecnologia na educação em diversas matérias. Acesse algumas em https://www.rededeexperiencias.com.br/atualiza/tecnologia-como-levar-a-sala-de-aula-alem-da-escolahttps://www.rededeexperiencias.com.br/atualiza/8-dicas-para-utilizar-tecnologia-na-sala-de-aula; e https://www.rededeexperiencias.com.br/atualiza/5-ferramentas-digitais-que-fazem-a-diferenca-na-educacao.

Foto: Depositphotos
Compartilhe nas suas redes

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *