O que foi o crash de 1929? Valorização das ações se equipara a período chamado de “Grande Depressão”

Por SOMOS Educação

O indicador mais respeitado para o cálculo do preço de uma ação (o “cape ratio – cyclically adjusted price/earnings ratio”, criado por Robert Schiller, prêmio Nobel de Economia) divide o seu valor presente pela média do lucro da empresa, ajustado à inflação, nos dez anos anteriores. Se o índice for muito alto, isso significa que as ações estão caras em relação aos lucros, permitindo antever anos de retorno medíocre à frente.

No final de 2020, o índice equivalia a 33 no conjunto das ações do S&P 500 da Bolsa de Nova York, uma espécie de “termômetro” do mercado global —projetando rendimento de 3%. Em uma outra ocasião em que indicador ficou acima de 30, foi no histórico ano de 1929, quando ocorreu o “crash” da Bolsa de Nova York, que precedeu a Grande Depressão.

Uma diferença crucial entre as duas crises é que, hoje, vários bancos centrais, sobretudo o norte-americano (Fed) e o europeu (BCE), vêm injetando dinheiro em escala sem precedentes no mercado para manter as taxas de juro em níveis historicamente baixos ou negativos (menores que a inflação).

Portanto, o resultado até então tem sido a redução no apetite dos investidores em comprar títulos de Estados soberanos, mais seguros (pois eles não quebram facilmente), mas que hoje não rendem nada ou dão prejuízo — pagando juros inferiores à inflação.

Crise de 1929

A Crise de 1929 foi uma das mais devastadoras para a economia na história contemporânea. Ocorreu entre os meses de setembro e outubro daquele ano, nos Estados Unidos, quando o valor das ações da Bolsa de Valores de Nova York (à qual a economia mundial estava integrada à época) despencou bruscamente, provocando a sua “quebra” (crash).

 A quebra da Bolsa de Nova York desencadeou, portanto, o período que ficou conhecido como a Grande Depressão, que durou até meados dos anos 1930.

Wall Street, EUA

O crash decorreu de uma consequência da grande expansão de crédito por meio de oferta monetária (emissão de dinheiro e títulos) levada a cabo pelo Federal Reserve System (espécie de Banco Central dos EUA) desde os primeiros anos da década de 1920. 

Essa expansão precisou ser freada pelo governo americano, já que se fez necessário um ajuste de contas. O governo, então, parou de expandir a oferta monetária e começou a operar uma política de restrição de empréstimos.  Com a iminência da desvalorização da moeda, muitas pessoas e empresas retiraram suas reservas dos bancos, dando início a um processo de recessão.

Dias difíceis

Diante da situação, o governo passou a exercer grande controle sobre os preços e os salários, bem como passou a promover aumento de impostos. Foi justamente isso que agravou a recessão e, em 24 de outubro de 1929, houve a chamada “quinta-feira negra”, caracterizada pela queda vertical das ações por falta de compradores. 

Dias depois, em 29 de outubro, ocorreu a “terça-feira negra”, quando diversos lotes de títulos foram colocados à venda na Bolsa de Nova York, em um último gesto desesperado, mas sem atrair compradores. Ações de bancos e empresas ficaram completamente desvalorizadas, o que provocou a falência deles e o consequente desemprego de cerca de 12 milhões de americanos.

New Deal 

O presidente dos EUA na época, Herbert Hoover, preferiu deixar que o próprio mercado se regulasse, auto-saneando seu desequilíbrio, uma tese defendida pelos liberais radicais, mas que provocou uma crise social sem precedentes.

Apenas em 1933, com a eleição de Franklin Delano Roosevelt, foi aplicada a intervenção do Estado na economia, por meio de um programa chamado New Deal. O New Deal (numa tradução literal, “novo acordo”) surgiu com base no pensamento do economista John Maynard Keynes, segundo o qual, em determinados períodos, o Estado deve intervir na economia, regulando-a. 

Franklin D. Roosevelt

Fotos: Divulgação

REFERÊNCIAS

https://www1.folha.uol.com.br/mercado/2021/02/valorizacao-de-acoes-se-iguala-a-crash-de-1929-e-cria-sinuca-para-investidores.shtml

https://brasilescola.uol.com.br/o-que-e/historia/o-que-foi-a-crise-1929.htm

https://educacao.uol.com.br/disciplinas/historia/crise-de-1929-do-crash-da-bolsa-de-valores-ao-new-deal.htm?cmpid=copiaecola

Compartilhe nas suas redes

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *