Onda mundial de ciberataques

Por SOMOS Educação

No último dia 27 de junho, empresas e bancos de diversos países foram alvos de um ataque cibernético. A ofensiva virtual teve início na Rússia e na Ucrânia, se espalhando rapidamente pela Europa. Sistemas de aeroportos e de escritórios governamentais também foram afetados.

De acordo com especialistas europeus, as interrupções foram causadas por um ransomware, um software nocivo ao sistema operacional do computador. A ação de hackers nesse ciberataque se deu pelo “Cryptolocker”, um vírus de resgate que sequestra os arquivos armazenados no computador e só os libera mediante pagamento em moedas virtuais criptografadas, as chamadas bitcoins.

Essas moedas não permitem rastreamento e são usadas para transações financeiras sem intermediação de bancos ou de autoridades financeiras. O conteúdo dos sistemas afetados não necessariamente é retirado, mas é codificado de forma a impossibilitar seu acesso, o que pode forçar as vítimas ao pagamento do resgate exigido.

Onda de ciberataques preocupa todo o planeta afetando sistemas de aeroportos e de escritórios governamentais. Entenda o que está por trás desses ataques.
Hackers afetam sistemas de aeroportos e de escritórios governamentais.

Em menos de dois meses, esse foi o segundo grande ataque à segurança da informação. Em maio, um vírus semelhante, chamado de “WannaCry”, bloqueou mais de 200 mil computadores em mais de 100 países ao redor do mundo, incluindo o Brasil, que teve órgãos com sistemas afetados, como o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) e o Superior Tribunal de Justiça (STJ).

Como evitar

Tanto no episódio de maio quanto no desta semana, os ataques cibernéticos foram realizados por meio de arquivos infectados e enviados por e-mail, que são baixados pelos usuários que não se preocupam em tomar as devidas precauções de segurança.

Entre as medidas preventivas, especialistas em segurança da informação destacam a manutenção do sistema operacional atualizado, a realização de cópias de segurança (backup) dos arquivos, ao menos dos considerados mais importantes, e cautela e critério ao abrir links e arquivos recebidos por correio eletrônico.

Compartilhe nas suas redes

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *