Holanda comemora sucesso de programa de combate ao bullying

Por SOMOS Educação

Após implantar um grande programa anti-bullying, escolas holandesas celebram a queda de 50% dos casos em cinco anos. Uma pesquisa da University of Groningen envolvendo 10 mil alunos de 99 escolas primárias que aderiram ao programa mostrou o resultado positivo: em 2012, quase 30% dos alunos afirmaram ser atingidos pelo problema. Em 2017, a porcentagem caiu para 13,5%.

Para conseguir essa transformação, desde 2015, o país realiza uma intensa política anti-bullying, onde as escolas primárias e secundárias devem seguir uma rigorosa lei de combate ao bullying. Desde os quatro anos, as crianças aprendem a sinalizar quando avaliam que uma situação passou dos limites. Além disso, a orientação dada às crianças é de que conversem sobre o problema com um adulto tão logo ele aconteça.

Lidar com o problema desde a primeira infância foi essencial para a redução do bullying na Holanda. Mais do que combater os casos, a ação aproximou os jovens. Tanto que uma pesquisa do Unicef, o Fundo das Nações Unidas para a Infância, que avaliou a qualidade dos estudantes em vários países, revelou que é das crianças holandesas o maior índice de satisfação pelos colegas: 85% delas acham seus amigos legais.

Divulgação do bullying é estratégica

Além de ensinar a sinalizar e a procurar um adulto tão logo o aluno sinta-se vítima de algum exagero por parte dos colegas, outra estratégia implementada no programa anti-bullying e que foi eficiente para reduzir o problema no país foi a divulgação de todos os casos entre os alunos, ao invés de mantê-los em sigilo.

Os casos não se restringem às famílias das crianças ou jovens envolvidos. Toda a classe da vítima e do agressor é comunicada sobre a ocorrência. Dessa forma, a escola conseguiu provocar maior reflexão de cada estudante acerca do problema, o que fez toda a diferença na redução do bullying.

O exemplo da Holanda pode ser inspirador para que as escolas do Brasil também adotem formas para combater esse tipo de comportamento.

Vale lembrar que em maio deste ano entrou em vigor no país a Lei de Combate ao Bullying (Lei 13.663/2018). A lei determina que entre as atribuições das escolas também cabe medidas de conscientização, prevenção e combate a esse tipo de violência, além da promoção de uma cultura de paz. Um passo importante para tentar reduzir ou eliminar esse grave problema.

Quer ver outros conteúdos interessantes sobre o universo da educação? Clique em https://www.rededeexperiencias.com.br/em-familia.

Foto: Shutterstock
Compartilhe nas suas redes

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *