Arte que conta história

Por SOMOS Educação

Para entender melhor como vivia e, principalmente, como se comunicava o homem Pré-Histórico, o Colégio Prisma, de Osasco (SP) convidou seus alunos do 6º ano a reproduzirem as pinturas que eram usadas como forma de expressão na época. É a arte contando nossa história.

“O projeto ‘Pinturas Rupestres – O homem Pré-Histórico e sua forma de expressão’ nasceu a partir da grande curiosidade que o tema aguça nas crianças. A evolução do homem é um assunto que gera bastante interesse e, ao mesmo tempo, dúvidas dos alunos. Exploramos esse lado curioso dos estudantes numa atividade artística e muito rica em conhecimentos”, conta Andréa Alessandra, do Colégio Prisma.

Comunicação e arte nas pedras

Com o projeto, os alunos puderam compreender melhor como o homem Pré-Histórico se expressava por meio da pintura nas pedras. Também conheceram um pouco mais da vida nessa era, bem como quanto eles descobriram e evoluíram. “Não havia escrita na época e a pintura foi uma das poucas fontes disponíveis para entendermos um pouco da vida desses homens”, diz Andréa.

Para realizar as pinturas, os alunos receberam lixas de parede e giz, mas somente de algumas cores. Afinal, os homens da Pré-História usavam apenas aquelas que a natureza lhes fornecia, como fezes de animais, plantas e folhas maceradas, além de sangue de animais abatidos.

Andréa destaca que o projeto serviu para abordar outros temas ligados à pintura rupestre. “Foi possível mostrar aos alunos que, apesar do homem desse período não ter religião, ele acreditava em algo superior, em uma força que estava acima dele. Por isso, pintavam as cavernas e paredes de pedra, pois acreditavam que se essas pinturas estivessem sempre vivas, a próxima caça estaria garantida.”

As pinturas rupestres ainda retratavam cenas do cotidiano dos grupos Pré-Históricos, a forma com que se relacionavam, como tratavam seus mortos, o nascimento, suas necessidades diárias, seu convívio pessoal e social.

Aprendizado garantido

Os alunos participaram intensamente do projeto. “A atividade foi extremamente prazerosa e muito tranquila. O mais interessante foi ouvir o relato dos alunos, pois entenderam a importância do homem Pré-Histórico dentro do nosso próprio desenvolvimento”, comemora Andréa.

“Conhecer e diferenciar as Teorias Criacionista e Evolucionista e, principalmente, saber respeitá-las. Saber que o homem e o macaco possuem um mesmo ancestral e que, no início de tudo, vivíamos em cima das árvores e que aos poucos fomos descendo delas e aprendendo a caminhar sobre os pés e a nos mantermos eretos. O projeto de pintura rupestre nos permitiu conhecer mais sobre o nosso passado e observar todo o caminho de evolução que tivemos”, conclui.

Como fazer na minha escola:

O projeto inicia-se com o conhecimento e identificação do período Pré-Histórico.

Depois de abrir espaço para discussões e descobertas, os alunos são convidados a fazer arte.

A pintura pode ser realizada em lixas, com giz de lousa mergulhado em cola diluída com um pouco de água. Ao final, os trabalhos podem ser expostos na escola.

Quer ver outros projetos de destaque na educação? Navegue em https://www.rededeexperiencias.com.br/na-pratica. E se sua escola também promove e incentiva a participação dos alunos em projetos incríveis, compartilhe conosco em https://bit.ly/2HRdQQ7.

Fotos: Colégio Prisma
Compartilhe nas suas redes

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *