Caixa lotada de conhecimento

Em 2016, o Colégio Shunji Nishimura, que fica na cidade de Pompéia, no interior de São Paulo, desenvolveu com as crianças da Educação Infantil II o projeto “Caixa Surpresa”.

Cada criança escolhia algo interessante e curioso para mostrar aos colegas e às professoras. Valia tudo: objetos antigos ou do dia a dia, instrumentos musicais e até seres vivos. A ideia era que, por meio de dicas e cativando a curiosidade geral, os colegas de classe descobrissem o objeto surpresa que cada um trazia em sua caixa.

Aluno do colégio participa do Projeto Caixa Surpresa.
Aluno do colégio participa do Projeto Caixa Surpresa.

A atividade tinha vários objetivos: proporcionar que os alunos vivenciassem a tomada de decisões, como a escolha do que apresentar; estimular a autonomia de cada um na hora de descrever o que trouxe e esclarecer as dúvidas dos colegas durante a apresentação; valorizar a curiosidade das crianças, além de incentivar a observação, a pesquisa e o desenvolvimento da memória.

Uma das caixas surpresa que mais atraiu a atenção dos alunos foi a que trazia o bicho da seda. A curiosidade da sala foi tanta que o colégio decidiu aprofundar a pesquisa. O tema foi parar na Mostra do Conhecimento promovido pela escola.

Professores e alunos se engajaram no tema, realizaram estudo de campo, com visitas a uma fazenda onde as crianças puderam observar todo o processo de cultivo e produção do bicho da seda. De volta à sala de aula, tudo era devidamente registrado em textos e desenho.

Na Mostra do Conhecimento, as crianças puderam demonstrar aos visitantes todo o processo que vivenciaram e o que aprenderam sobre o bicho da seda.

Para a professora responsável pela iniciativa, Sueli Regina dos Santos Silva, o projeto “Caixa Surpresa” foi um grande sucesso. “Depois desse trabalho, as crianças demonstraram maior interesse por observar o mundo à sua volta. A classe também registrou um importante avanço na aquisição da escrita”, comemora.

Profª Sueli com seus alunos em trabalho de campo.

O projeto gerou outras lições. As crianças demonstraram que aquilo que faz sentido e que é vivenciado se traduz em conhecimento adquirido.

Os professores também puderam aprender com a iniciativa. “Descobrimos que é preciso valorizar as pequenas coisas, observar, pensar e pesquisar bastante sobre algo antes de falar sobre ele ou antes de emitir uma opinião”, destaca Sueli Regina.

Como aplicar o “Caixa Surpresa” na sua escola

Cada criança deve escolher e trazer numa caixa algo interessante e curioso para mostrar aos colegas e às professoras. Vale qualquer objeto e até ser vivo.

Por meio de dicas, os colegas de classe devem descobrir o objeto surpresa que cada um traz em sua caixa.

O objeto que aguçar mais a curiosidade dos alunos pode ser aprofundado em sala e até fora dela, em estudos de meio. Tudo deve ser registrado nas aulas por textos e desenhos.

Objetivos do projeto: permitir ao aluno vivenciar a tomada de decisões e estimular sua autonomia; valorizar sua curiosidade; incentivar a observação, a pesquisa e o desenvolvimento da memória.

Cartaz produzido pelos alunos sobre o processo de cultivo e produção do bicho da seda.

Resultados: alunos demonstraram maior interesse por observar o mundo à sua volta, traduzindo em conhecimento aquilo que é vivenciado. Também avançaram na aquisição da escrita.

Compartilhe nas suas redes

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *