Colégio promove ação de combate ao bullying com foco em melhorar as relações humanas

Por SOMOS Educação

O combate ao bullying é hoje um dos maiores desafios enfrentados pelas instituições de ensino ao redor do mundo. Frequentemente, acompanhamos relatos trágicos de episódios que culminaram no ápice das várias consequências dessa prática. Silencioso, perverso e muitas vezes subestimado, o tema vem gradualmente ganhando espaços de debates que são capazes de conscientizar pais, professores e alunos, graças a iniciativa daqueles que compreendem a sua relevância.

Foi acreditando na capacidade de transformação de uma abordagem séria e esclarecedora do tema que o Colégio Êxito, de Natal (RN) decidiu se engajar nessa discussão. Buscando as melhores formas de contribuir para a formação de cidadãos empáticos e, inclusive, de prevenir possíveis atos nessa direção, a escola realizou pelo segundo ano seguido a “Semana de Combate ao Bullying”.

Entre os dias 9 e 13 de abril deste ano, toda a escola (do nível III ao pré) foi mobilizada para uma série de atividades relacionadas ao tema. A programação da semana especial foi composta por sessões de filmes e de desenhos, além de um ciclo de palestras, que contou com a participação de alunos, professores e outros funcionários da escola. “O objetivo era que todos os envolvidos tomassem consciência da dimensão do problema, respeitando, obviamente, a maturidade de cada faixa etária para entender esse assunto”, explica o psicólogo do colégio, Rafael Duarte.

Mesma mensagem, mas de formas diferentes

Para garantir que todos os perfis de estudantes pudessem assimilar o conteúdo da melhor forma, o Colégio Êxito preocupou-se em fazer adaptações do tema, garantindo que ele fosse, de fato, marcante para todos. “Ao final, sabíamos que a gravidade e as consequências tanto de quem pratica quanto de quem é vítima de bullying foram compreendidas em toda sua complexidade. Assim, para uma turma, por exemplo, explicamos que trata-se de um ato de violência, mas que nem toda ‘brincadeira de mau gosto’ é considerada como tal. O termo ‘violência’ representa algo bem mais profundo, intencional e frequente”, diz Duarte.

Para os pequenos, foi explicado que o bullying pode acontecer quando há a interrupção da amizade, isto é, quando ao invés de se fazer amigos, não se consegue respeitar o jeito especial de cada um ser, não entendendo que só existe amizade porque existem diferenças.

Os menores se envolveram tanto no tema que, destaca o psicólogo, “partiu das próprias crianças uma solução para a questão, quando em plena abertura do projeto, no meio de uma palestra, elas se manifestaram, dizendo: ‘temos que ter mais amor e respeito pelos outros’, nos ensinando e contribuindo com esse momento.

Já no Ensino Médio, discutiu-se que o “humor”, presente em todo ato de bullying, não é algo negativo em si, mas que algumas pessoas podem se valer dele para agir de forma perversa, o que aí sim caracteriza o problema.

Palestras e filmes

A Semana de Combate ao Bullying do Colégio Êxito também contou com palestras especiais. O professor e historiador Marcel de Melo e a pedagoga Valderez Cardoso, ambos do Colégio Vitória, instituição de ensino da região, falaram do bullying enquanto fenômeno social e compartilharam a experiência vivida na escola onde trabalham.

Outra participação que enriqueceu a semana contando suas vivências enquanto conselheiro tutelar foi Pedro Gomes, coordenador operacional do Colégio Êxito. Isso, sem deixar de destacar os importantes e emocionantes testemunhos dados por alunos de várias classes, que formaram fila para falar ao microfone sobre seus sentimentos e suas experiências vividas.

Durante a programação dessa semana especial, os alunos do Ensino Fundamental II também puderam se emocionar com a exibição do filme “Extraordinário”, que conta a saga de um garoto para se sentir incluído na escola como qualquer aluno de 10 anos, mesmo possuindo uma diferença física em relação aos demais. Já para os estudantes do Fundamental I, a sessão de cinema contra o bullying teve o filme “Divertida Mente”.

Sessão de cinema também integrou a programação

 

Mesa Redonda para o Pré: “Existem limites para o humor?”

“Foi um projeto extremamente valioso e que nos fez aprender, antes de tudo, um pouco mais sobre nós mesmos e sobre as relações humanas. O foco era o bullying, mas com ele também veio a necessidade de aprofundar o entendimento sobre respeito, amor e empatia. Aproveitamos também para entender mais sobre o humor, o poder das palavras e as inevitáveis consequências de nossas escolhas”, finaliza o psicólogo Rafael Duarte.

Como fazer na minha escola:

Programe no calendário uma semana específica para tratar do tema bullying.

A semana de atividades deve integrar os setores de gestão pedagógica (coordenações e assessoria), gestão administrativa (direção), setor de psicologia e professores para reuniões de planejamento para a semana temática.

Trabalhe com antecedência, para que possa convidar pessoas que agreguem experiências e conhecimento. Assim, a semana fica mais rica e os alunos poderão tirar maior proveito de tudo aquilo que for apresentado e vivenciado.

Quer conhecer outros projetos de destaque na educação? Veja mais em https://www.rededeexperiencias.com.br/na-pratica. E se sua escola também promove e incentiva a participação dos alunos em projetos incríveis, compartilhe conosco em https://bit.ly/2HRdQQ7.

Foto: Colégio Êxito

 

 

Compartilhe nas suas redes

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *