Matemática em movimento

Por SOMOS Educação

A Matemática, na maioria das vezes, é vista como uma disciplina pronta e acabada, sem espaço para a criatividade. Isso acaba gerando uma grande aversão nos alunos, fazendo com que acreditem que é algo difícil, distante da realidade e, muitas vezes, sem utilidades, onde quem aprende ou a compreende é considerado muito inteligente.

O que devemos fazer é tirar a ideia de que a matemática é para poucos e, mostrar que todas as pessoas têm a capacidade de aprendê-la e ainda explorar o lúdico. É importante analisar os métodos de ensino e propor mudanças que tornem as aulas mais dinâmicas. Por meio da brincadeira a criança envolve-se no jogo e sente a necessidade de partilhar com o outro. Ainda que em postura de adversário, a parceria é um estabelecimento de relação. Esta relação expõe as potencialidades dos participantes, afeta as emoções e põe à prova as aptidões testando limites.

Aprender brincando

Brincando e jogando a criança terá oportunidade de desenvolver capacidades indispensáveis à sua futura atuação profissional, tais como atenção, afetividade, o hábito de permanecer concentrado e outras habilidades perceptuais psicomotoras.

Leia também: Homenagem à Eva Perón

Desta forma, o projeto “Matemática em movimento”, do Colégio Tableau, em Guaratinguetá (SP), é aplicado ao Ensino Fundamental I – do 1° ao 5° ano, e compreende um conjunto de ações que têm como objetivo articular o processo de desenvolvimento curricular em Matemática, o suporte de professores e a avaliação, elementos chave de promoção da qualidade da educação, serem o suporte dos alunos e melhorarem a qualidade de aprendizagem. Uma vez que o interesse nos estudos é cada vez mais distante entre os jovens, é preciso resgatar o aluno, conquistá-los, trazer de volta o interesse pela aprendizagem.

O objetivo

Proporcionar aos alunos situações desafiadoras, onde possam expressar seus conhecimentos, utilizando-se de estratégias próprias. Reconhecer a matemática como disciplina capaz de mudar nosso desenvolvimento em todas as disciplinas do nosso cotidiano.

“Melhorar o raciocínio matemático dos alunos, ensinar a matemática de uma maneira descomplicada e fácil, ser o suporte do professor da educação l descomplicando a matemática com jogos pedagógicos como ferramenta no auxílio da aprendizagem matemática. Segundo a BNCC, estratégias para uma melhor aprendizagem de nossos alunos”, explica o professor de matemática George Washington Leite.

Ele prossegue: “O projeto em nossa escola já tem oito anos, melhorando o desempenho de nossos alunos e interesse pela aprendizagem, tendo proporcionado 17 oficinas de capacitação para professores em universidades, escolas particulares e públicas.

Metodologia

No ensino fundamental I, o projeto foi aplicado junto ao professor da sala de acordo com o conteúdo programático de cada ano, onde a partir dessas informações foram elaborados jogos, atividades ou uso de sites pedagógicos para a construção da aprendizagem do aluno. Cada aula tem o mínimo de 50 minutos, uma vez por semana.

Do primeiro ao quinto ano, todo o trabalho foi registrado em um caderno ou pasta. Um recurso que servirá ao professor para visualizar as dificuldades e evolução de seus alunos e rendimento.

COMO FAZER EM MINHA ESCOLA

Criando o projeto nas escolas, com jogos como ferramenta pedagógica na aprendizagem matemática. Para aplicar o projeto, é necessária a capacitação do professor autor do projeto.

Fotos: Colégio Tableau/Divulgação
Compartilhe nas suas redes

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *