Simular, aprender, evoluir e vencer na educação!

Por SOMOS Educação

Simular para conquistar grandes resultados. Foi com esse lema que o Colégio Cometa, do município de Irecê, na Bahia, trabalhou com seus alunos do Ensino Médio visando ao Enem.

“Melhorar resultados, níveis de proficiência e boas notas no Enem são o foco da maioria das escolas e não poderia ser diferente conosco. Nós buscamos a cada ano crescer na excelência do processo de ensino e aprendizagem”, diz Hebe Cristina Mangueira Carvalho de Jesus, do Colégio Cometa.

Para alcançar melhores resultados, o colégio, em parceira com o Prepara Avaliações, ressignificou o Projeto “Cometa+Enem” ao aplicar os simulados e ter a correção dos mesmos com base na Teoria de Resposta ao Item (TRI), que avalia habilidade e conhecimentos em testes de múltiplas escolhas.

Hebe Cristina conta as vantagens existentes ao se esmiuçar os dados das provas preparatórias. “Quando recebemos a devolutiva do 1º simulado, decidimos analisar área por área os níveis de proficiência; como nossos alunos estavam, os pontos fortes e os pontos a melhorar. Foi possível observar a posição do colégio e montar um plano de ação, redirecionando o planejamento da equipe pedagógica para suprir aquelas habilidades e competências que estavam ainda abaixo do ideal”.

A análise aconteceu também nas provas seguintes. “Na medida em que os simulados eram aplicados foi possível ponderar se as nossas ações estavam dando certo, uma vez que tínhamos como parâmetro a prova anterior. Assim, proporcionamos condições para avançarmos nos resultados, com muita maturidade e responsabilidade e com as estruturas emocionais dos nossos alunos”.

Simulados ajudam a melhorar resultados dos alunos

Os simulados, que são grandes aliados para os alunos perceberem seus pontos fortes e fracos, além de servirem como ferramenta de preparo psicológico para uma prova longa como é o Enem, passaram a contribuir ainda mais nesse caminhar dos alunos do colégio. Com a avaliação, professores e alunos puderam redefinir planejamento e rotina de estudos.

As provas preparatórias contribuíram para a descoberta preventiva das dificuldades dos alunos em determinadas disciplinas do conhecimento, elaborando um diagnóstico subsidiado e norteado pelas habilidades e competências do Enem.

“Tudo isso estimulou nossos alunos ao saber. Eles passaram a realizar os simulados com mais interesse, levando-os a sério como se fosse realmente um dia de Enem. Houve reorganização da rotina de estudo, visto que, ciente das habilidades conquistadas era preciso investir nas deficiências apontadas nos gráficos de TRI”, destaca Hebe Cristina, que conclui: “a experiência foi excelente, trouxe melhorias relevantes para o desenvolvimento de estratégias, o que possibilitou crescimento pedagógico da equipe docente e, como resultado, avanços na aprendizagem dos alunos”.

Como fazer na minha escola

Antes de tudo, é preciso haver uma conversa com os alunos, explicando o objetivo dos simulados e as vantagens de ter uma correção com base na Teoria de Resposta ao Item (TRI).

Ao final de cada simulado, então, é feita a análise das provas na plataforma do Prepara Avaliações, juntamente com os alunos. É quando torna-se possível observar os pontos fortes e pontos a melhorar.

Com o resultado em mãos, basta reorientar a rotina de estudo dos alunos, observando as habilidades já adquiridas e redirecionar esforços para as que estão ainda no básico ou abaixo do básico, no nível de proficiência.

A coordenação pedagógica, então, junto com os professores, avaliará o resultado dos simulados e montará estratégias para melhoria de resultados. Assim, a gestão escolar poderá proporcionar condições para que os alunos, professores e coordenação desenvolvam as ações planejadas.

Foto: Colégio Cometa
Compartilhe nas suas redes

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *