Jovens recebem ‘apoio inusitado’ para faltar na escola

Por SOMOS Educação

Estudantes do mundo inteiro mobilizaram-se na última sexta-feira (20/9) para a “Greve Global pelo Clima”. Cidades em mais de 130 países foram sede de manifestações contra as mudanças climáticas que assolam o planeta.

Assunto urgente

A Greve pelo Clima teve origem no “Fridays For Future” (Sextas-feiras pelo Futuro), que ganhou repercussão com a adolescente sueca de 16 anos Greta Thunberg. Desde 2018 Greta falta às aulas nas sextas-feiras para protestar pelo clima, em frente ao parlamento sueco, em Estocolmo. A iniciativa lhe rendeu a indicação ao Prêmio Nobel da Paz e fez com que diversas outras greves se espalhassem pelo mundo. De lá para cá, com a exposição da mídia e nas redes sociais, o movimento cresceu exponencialmente.

Leia também: Brasil tem mais 11 universidades entre as melhores do mundo

Mas, apesar da boa intenção, o fato de faltar às aulas toda sexta-feira sempre dividiu pais e educadores. Há os que consideram a iniciativa estudantil válida pois os jovens estão preocupados com o meio ambiente e exercendo protagonismo. Mas há também quem condene o esquema de ausentar-se da escola.

Apoio inusitado

Mas para o doutor e climatologista Peter Gleick, membro da Academia Nacional de Ciências dos Estados Unidos e vencedor do Prêmio Carl Sagan de 2018 para Popularização da Ciência, a falta justifica-se. Foi dele que partiu a ideia, depois encampada por vários outros cientistas, de redigir uma carta de apoio para justificar as faltas na escola. Ele é contra os críticos que dizem que os estudantes deveriam ficar em sala de aula para aprender, em vez de protestarem. Para Gleick, protestar também é um aprendizado.

A ideia surgiu quando ele viu que algumas escolas estavam planejando punir os alunos que faltassem. Assim ele pensou em fazer a carta com a justificativa, assinada por um cientista.

O professor Gleick optou por postar sua carta no Twitter. Já a cientista Heather Price usou o mesmo conteúdo, mas publicou a carta do jeito mais tradicional: escrita à mão, para que fosse impressa e utilizada pelos estudantes. Além deles, os climatologistas Peter Kalmus e Andrew Bryant também aderiram à causa.

E você, o que acha desta iniciativa?

Fotos: DepositPhotos e reprodução

 

Compartilhe nas suas redes

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *