Língua portuguesa e sociedade em evidência

Por SOMOS Educação

Em uma das competências da nova Base Nacional Comum Curricular (BNCC) ligada à Língua Portuguesa é apresentado o exercício da empatia e do diálogo. Mais do que isso, também apresenta-se a resolução de conflitos e a cooperação, levando os alunos ao respeito uns aos outros, bem como aos direitos humanos, o acolhimento e a valorização da diversidade de indivíduos e de grupos sociais. A ideia é disseminar os saberes, identidades, culturas e potencialidades, sem preconceitos de qualquer natureza. Para trabalhar todo esse conceito, a Escola Construindo o 2000, de Nazaré da Mata (PE), mobilizou a turma do 8º ano do Ensino Fundamental II. Foi a “Semana do Seminário – Empatia: elemento fundamental para os problemas sociais’’.

O projeto foi liderado pelo professor de Língua Portuguesa da escola. A iniciativa conduziu os alunos a usufruírem a oralidade de uma maneira mais significativa e com segurança. Assim, eles estão sujeitos a utilizá-las frequentemente em situações públicas e adversas. “Mais além, os levou ao aperfeiçoamento da escrita e da modalidade linguística”, destacou Jean Brito da Silva, representante da Escola Construindo o 2000.

Seminário ajudou no desenvolvimento da oralidade
Seminário ajudou no desenvolvimento da oralidade

Temas da sociedade

Para o projeto, a turma foi dividida em equipes. Cada uma recebeu um tema forte, que muitas vezes chega a chocar a sociedade. Violência contra a mulher, Bullying, Intolerância Religiosa e Homofobia foram alguns dos assuntos levantados. Cada grupo deveria estudar o tema definido e levar para a classe suas considerações teóricas e dados estatísticos de casos no Brasil. Para enriquecer o seminário, os estudantes também deveriam trazer algumas estratégias de combate para aquele tema. E por fim, também promover recursos visuais para que fossem explorados na escola.

Seminário debateu violência contra a mulher
Seminário debateu violência contra a mulher

“Com todo esse empoderamento, os alunos apresentaram seus temas com propriedade. Teve bastante debate e troca de informações, com comentários críticos e reflexivos a cada execução de trabalho. Tudo foi recheado com apresentações de teatro e de música. Além da contribuição com o rendimento das aulas posteriores, a oralidade tornou-se instrumento dialógico. Deixou de ser uma comunicação truncada entre professor e aluno”, comemorou Jean.

Religião foi outro tema abordado no seminário
Religião foi outro tema abordado no seminário

O seminário, que até então era algo muitas vezes temido, depois daquela semana passou a ser algo comum em um espaço de liberdade e protagonismo. “Afinal, os estudantes foram capazes de se colocar empáticos em prol daqueles que estão à margem do preconceito, do sofrimento e até da morte”, concluiu Jean Brito.

Como fazer em minha escola:

– Trabalhar em classe a importância do gênero seminário;

– Pesquisar, juntamente com os alunos, temáticas relevantes para discussão diante dos problemas sociais que circulam atualmente;

– Programar com o coordenador pedagógico um dia para a aula-debate onde possam ser envolvidos alunos de outras turmas.

– As apresentações podem ser complementadas e enriquecidas com teatro, música e com recursos visuais.

Para ver outros projetos de destaque na educação navegue em https://www.rededeexperiencias.com.br/na-pratica. E se sua escola também promove e incentiva a participação dos alunos em projetos incríveis, compartilhe conosco em https://bit.ly/2HRdQQ7.

Fotos: Escola Construindo o 2000
Compartilhe nas suas redes

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *